FPC colabora com a Campanha do Laço Azul contra os maus tratos infantis

Coimbra foi uma das cidades que acolheu, durante todo o mês de abril, a Campanha do Laço Azul. A iniciativa, que esteve inserida na 7ª edição da campanha de prevenção contra os maus tratos a crianças e jovens, foi promovida pela Comissão Regional da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (CRSMCA) da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC). O encerramento da campanha de prevenção e sensibilização contou com uma caminhada solidária, que teve uma largada de pombos-correio, junto ao Largo da Portagem. 42 “atletas” voaram perante os olhares dos participantes, numa atividade que esteve a cargo da Federação Portuguesa de Columbofilia (FPC) e do Grupo Columbófilo de Coimbra (GCC), que, mais uma vez, se associaram à Campanha do Laço Azul.

Com o mote “maus tratos a crianças e jovens: Silêncio?Não!”, a caminhada solidária, que teve início na manhã deste sábado, 29 de abril, às 10h00, junto à sede da  ARSC em Coimbra, situada na Alameda Júlio Henriques, contou com presença de 120 pessoas, que percorreram os 2,9 quilómetros do trajeto. O Laço Azul, principal símbolo da campanha, foi visto em diversas vias “centrais” da cidade conimbricense, com destaque para a Praça da Republica, a Avenida Sá da Bandeira ou a Rua Ferreira Borges, com a iniciativa a terminar no Parque Verde do Mondego.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Iniciada em 1989, na Virgínia, nos Estados Unidos da América (EUA), a Campanha do Laço Azul-nome original Blue Ribbon- foi iniciada por uma avó, Bonnie Finney, que decidiu, em homenagem aos seus netos, colocar uma fita azul amarrada à antena do seu carro. A Fita Azul servia para lhe relembrar as nódoas negras das agressões de que os netos eram vítimas -o neto faleceu devido a maus tratos e a neta também era alvo de agressões. O azul, que simboliza assim a cor das lesões, era “um lembrete contínuo para a sua luta na proteção de crianças e jovens contra os maus-tratos”, revelou o representante da CRSMCA e um dos elementos da organização, José Órfão. A campanha do Laço Azul acabou por se difundir por mais países, criando o Movimento do Laço Azul. Em Portugal, desde 2008, que o mês de abril foi decretado, pela Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR), como o “Mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância”.

No final da caminhada solidária, que encerrou mais um mês de ações contra os maus tratos infantis, “o balanço é positivo, sobretudo pela adesão das pessoas”, destacou José Órfão. Este ano a Comissão Regional da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (CRSMCA) promoveu, no passado dia 21 de abril, um seminário, subordinado ao tema “Crianças e jovens em risco: Prevenção em Ação”. A atividade decorreu no auditório do Hospital Pediátrico do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, tendo contado com cerca de 200 pessoas. Esta comissão é uma unidade coordenadora funcional inter-hospitalar da ARSC e trabalha com Núcleos de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. José Órfão destaca que a CRSMCA elabora “uma fotografia do que se passa ao nível da região”. Na região de Coimbra existem 87 Núcleos que, “entre outras funções, são responsáveis por fazer a deteção de um caso”, esclareceu responsável. O número de casos de maus tratos sinalizados “tem aumentado”, sublinhou José Órfão.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A iniciativa contou com uma largada simbólica de pombos-correio junto ao Largo da Portagem. Os 42 “atletas” presentes fazem parte da colónia do columbófilo do Grupo Columbófilo de Coimbra, João Soares. José Órfão destacou o apoio da FPC e do GCC, representado por João Soares, “sabemos que estão sempre prontos para apoiar esta causa e estamos muito gratos por mais uma vez terem colaborado connosco”. O responsável espera que “a proteção e o respeito pelas crianças aumente”, porque “só assim é possível ter uma sociedade melhor”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Campanha do Laço Azul decorreu em diversas cidades portuguesas. Em Coimbra, para além da FPC, o evento contou com diversos parceiros, entre eles, a Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco, a Câmara Municipal de Coimbra, a Cáritas Diocesana de Coimbra, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra ou a Casa dos Pobres de Coimbra.

AILAC: Uma associação que pretende desenvolver a columbofilia nos dois lados do Atlântico

A Federação Portuguesa de Columbofilia (FPC) e Portugal voltam a estar representados numa prova organizada pela Associação Ibero-Latino-americana de Columbofilia (AILAC). A prova, que decorre na Colômbia, marca o regresso dos “atletas” nacionais à competição de derbies na América do Sul.

Constituída em 1991, por iniciativa da FPC e da Real Federación Colombófila Española (RFCE), federações que tinham como presidentes, Gaspar Vila Nova e Carlos Marquez Prats, a AILAC teve como primeiro responsável, ainda numa fase embrionária, o espanhol José Maria Corona. O primeiro presidente oficial da AILAC foi mesmo Gaspar Vila Nova, que foi eleito para o cargo em 1992, após a realização, em Aveiro, da 1ª Exposição Ibero Latino-americana. No evento que decorreu na cidade do rio Vouga participaram, para além dos dois países da Península Ibérica, a Argentina, o Brasil, o México, o Perú e a Roménia – país que está geograficamente localizado no leste europeu mas que tem “raízes” muito latinas. A título de curiosidade o nome do país advém do termo latino “romanus”, que significa “cidadão de Roma”. Durante a Exposição foi organizado o 1º Congresso Latino Ibero-americano que acabou por eleger a primeira direção do organismo.

A criação da AILAC surge com diversos objetivos, entre os quais se destacam: o desenvolvimento da columbofilia nos países da América Central e do Sul, o apoio à criação de federações nacionais estruturadas nessas duas zonas, a filiação das novas federações na Federação Columbófila Internacional (FCI) ou a cooperação mútua entre as diversas federações no sentido de desenvolver a columbofilia ibérica e a columbofilia latino-americana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Devido ao trabalho desenvolvido pela FPC e pela RFCE, as novas federações passaram a ser elementos efetivos da FCI tendo, em conjunto, conseguido quebrar a hegemonia dos países da Europa Central, nomeadamente Alemanha e Bélgica, ao nível da presidência do Comité Diretor da entidade. Em 1993, já depois de ter uma primeira presidência dividida com o belga Georges de Paduwa, Carlos Marquez Prats é eleito como presidente da FCI. Carlos Prats, entre outros contributos, foi um impulsionador da competição de derbies, tendo sido um dos responsáveis pela organização do 1º Campeonato do Mundo, em 1993, numa prova que teve a solta final a partir de Tan-Tan, na província de Agadir, Marrocos, e chegada a Las Palmas, nas Ilhas Canárias, Região Autónoma de Espanha.

Recordamos que, em janeiro de 1997, Gaspar Vila Nova foi eleito para suceder a Carlos Prats, na presidência da FCI, contudo, a vida traiu o dirigente português, que só esteve no cargo três meses, ainda assim foi o primeiro português a ocupar o mais importante cargo do organismo. Entre maio de 1997, mês do falecimento de Gaspar Vila Nova, e 2005, Carlos Prats manteve-se como presidente da FCI. Durante este período, Portugal e a FPC estiveram representados na direção por Joaquim Rodrigues Branco, que foi membro do Comité Diretor e vice-presidente da FCI.

Durante este período os países da AILAC foram tendo cada vez mais importância na FCI, e nas respetivas votações do organismo. Em 2005, no final das 29ªas Olimpíadas de Columbofilia, que decorreram na cidade do Porto, José Tereso, foi eleito presidente da FCI. O último mandato terminou em janeiro de 2017, altura em que, na 35ª edição das Olimpíadas, que decorreram no final do passado mês de janeiro, em Bruxelas, na Bélgica, o húngaro, István Bardos, foi eleito para suceder a José Tereso no cargo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na última década Portugal não tem participado nas provas da AILAC, muito por culpa das questões burocráticas e sanitárias relacionadas com o envio dos “atletas” para outros continentes. Um dos objetivos da atual direção da FPC e da direção da AILAC passa por voltar a fomentar a política de cooperação e ajuda ao desenvolvimento da columbofilia entre os países membros deste organismo. O aprofundamento das relações com os países membros da AILAC, especialmente os sul-americanos, gerou uma vontade generalizada de incrementar laços de cooperação, solidariedade e de intercâmbio ainda mais fortes, quer no plano desportivo, quer na definição de posições comuns para as grandes questões da columbofilia internacional.

Em 2017, todos os esforços foram congregados no sentido de levar pombos-correio portugueses até aos ares colombianos. Em representação de Portugal e da FPC estão 26 pombos-correio, que vão disputar a prova final, marcada para o próximo dia 19 de agosto. A solta será realizada entre as localidades de Bosconia e Bogotá, na distância de 565 kms.

Atualmente o presidente da AILAC é o argentino Federico Arias. Os vice-presidentes são o português, José Luís Jacinto, e o mexicano, Pedro Sanchez Mejorada. Os “atletas” lusos já se encontram na Colômbia e estão a habituar-se aos ares “cafeteros”- alcunha pela qual é conhecida a seleção de futebol da Colômbia, devido ao café, um dos principais produtos cultivados e exportados pelo país. Na fotografia está o elemento da organização, Gabriel Ferro Cortés, com as caixas de transporte dos “atletas” portuguesas.

IMG_9659

Continue atento ao blog – press.fpcolumbofilia.pt e ao site da FPC – http://www.fpcolumbofilia.pt/, porque vamos trazer-lhe mais novidades sobre a participação dos pombos-correio portugueses na prova da AILAC, que vai decorrer na Colômbia.

 

 

 

 

 

Está aberto o período de inscrições para os Campeonatos Internacionais de Columbofilia – Mira 2017

O Columbódromo Internacional Gaspar Vila Nova, em Mira, já recebe “atletas” para os Campeonatos Internacionais de Columbofilia – Mira 2017, cuja solta final está marcada para o próximo dia 2 de setembro.

O prazo de inscrições começou no passado dia 15 de março, sendo prolongado até dia 15 de maio. A edição deste ano tem 4 provas diferentes: o FCI Grand Prix de Portugal (competição destinada à participação individual para columbófilos inscritos em Federações que integrem a FCI); o FCI Campeonato do Mundo e Mundo Jovens (provas destinadas à participação de seleções nacionais que representem países que integram a FCI); a Liga Nacional dos Campeões (destinada à participação dos Campeões Gerais das Coletividades Portuguesas da Campanha Desportiva de 2016) e o novo Campeonato Nacional de Jovens (Competição reservada unicamente à participação de jovens columbófilos portugueses, com idade até aos 25 anos e com licença desportiva ativa para o ano de 2017).

A FPC apresenta-lhe agora o vídeo promocional dos Campeonatos Internacionais de Columbofilia – Mira 2017. Devido às políticas da plataforma Youtube, recorremos à plataforma Vimeo para divulgar as imagens.

Na antevisão aos Campeonatos, o coordenador desportivo da FPC, Almerindo Mota, revelou que “as expetativas são sempre as melhores”, mas salientou o facto de ainda não conseguir ter “uma noção exata da quantidade de pombos-correio que vão a competir”. O responsável pretende que os Campeonatos de Mira “sejam um ponto de encontro anual entre columbófilos e admiradores do pombo-correio” e “um momento de convívio e de celebração deste desporto, nomeadamente da competição de derbies”. Aqui fica o flyer promocional do evento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O FCI Campeonato do Mundo e o FCI Campeonato Mundo de Jovens vão ter em competição a Seleção Nacional Portuguesa. Consulte as listas com os “atletas” lusos que vão participar nas duas provas Campeonato do Mundo – Mira2017 e Campeonato do Mundo Jovens -Mira2017. Recordamos que em 2016, na Bélgica, o pombo português, com a anailha nº 6285412/16, voou para o primeiro lugar na solta final, alcançando ainda a segunda posição na classificação geral do Pombo-Ás, recorde a notícia aqui. Dani Andrade venceu a prova final do Campeonato do Mundo de Jovens 2016, recorde a notícia aqui – Dani Andrade venceu a prova final do Campeonato do Mundo de Jovens 2016

Outra das novidades é a criação do Campeonato Nacional de Jovens, uma prova que “pretende levar os mais novos a sentir a adrenalina da competição dos Campeonatos Internacionais de Mira 2017”, destacou Almerindo Mota. O principal objetivo passa por “fomentar a prática modalidade nos mais novos”, mencionou o dirigente. O coordenador desportivo da FPC espera que este campeonato crie laços entre diferentes gerações de columbófilos, “queremos que os mais jovens possam interagir com os praticantes que já têm mais experiência e que, através das provas e de todas as aprendizagens que vão adquirindo, queiram praticar a columbofilia”.

 O Campeonato Nacional de Jovens permite que os columbófilos, até aos 25 anos de idade, inscrevam, de forma gratuita, um pombo-correio para a prova de Mira. O responsável federativo justifica o porquê desta opção, “no ano passado criámos a Liga Nacional dos Campeões, e penso que foi um sucesso. No seguimento dessa prova, que permite que os Campeões Gerais das Coletividades Portuguesas, neste caso, da Campanha Desportiva de 2016, enviem 2 pombos-correio, de forma gratuita, para participar nos Campeonatos de Mira, decidimos criar uma nova competição, mais virada para os jovens praticantes da modalidade”.

Almerindo Mota falou também das expetativas relativamente às Seleções Nacionais que vão competir no Campeonato do Mundo e no Campeonato do Mundo de Jovens, “em 2016 ganhámos o Campeonato do Mundo de Jovens, que decorreu na Bélgica, portanto temos ambições elevadas”. O coordenador está confiante em relação às prestações dos “atletas” portugueses, “penso que este ano poderemos fazer algo de muito interessante. Iremos ter grandes columbófilos portugueses, que se destacaram na campanha de 2016, a participar com excelentes «atletas»”, referindo ainda não ter dúvida “na demonstração de valor e qualidade da columbofilia portuguesa”.

Pode acompanhar todas as novidades sobre os Campeonatos Internacionais Mira 2017 no blog da FPC – https://press.fpcolumbofilia.pt/, no site da FPC – http://www.fpcolumbofilia.pt/ e no site dos Campeonatos Internacionais de Columbofilia-Mira 2017 – http://www.fpcolumbofilia.pt/mira2017/ .

As provas de Mira vão ter um aliado tecnológico. O coordenador desportivo da FPC, Almerindo Mota, explica: “todos os columbófilos que tenham pombos-correio a competir nas provas de Mira, vão receber informação detalhada e permanente através de sms, sobre os seus pombos-correio assim, quando o pombo entrar no pombal, num treino, ou na prova final, o columbófilo recebe uma mensagem com a informação do lugar que o seu «atleta» alcançou”. O responsável espera que esta novidade seja “um sucesso” e que, “acima de tudo, traga mais praticantes para a modalidade”.

A solta final dos Campeonatos Internacionais de Columbofilia-Mira2017 decorre no próximo dia 2 de setembro. O Columbódromo Internacional Gaspar Vila Nova, em Mira, promete ser “a casa” da columbofilia mundial e a FPC convida todos os columbófilos, admiradores do pombo-correio, curiosos e apreciadores das competições de derbies a estarem presentes para assistir à chegada dos “atletas”. Até lá continue atento às novidades sobre a 20ª edição dos Campeonatos Internacionais de Columbofilia em Mira.

Para além dos locais já referidos, pode também consultar a página no Facebook dos Campeonatos Internacionais de Columbofilia – Mira 2017, disponível através da ligação: International Racing Pigeons Championships – MIRA OLR 2017 https://www.facebook.com/Campeonatos.Internacionais.Columbofilia.Mira.OLR/?pnref=story.

 

Congresso Federativo da FPC aprova Relatório de Atividades e Contas de 2016

A Federação Portuguesa de Columbofilia (FPC) voltou a reunir com os delegados e os representantes das Associações Distritais, naquele que foi o primeiro Congresso Ordinário de 2017. O encontro, que decorreu em Coimbra, na sala de reuniões do Hotel D. Inês, começou às 21h30 da passada sexta-feira (31 de março) e contou com a presença de 13 delegados.

A ordem de trabalhos foi a seguinte.

  1. Aprovação das atas números cento e nove, cento e dez e cento e onze referentes aos congressos realizados respetivamente nos dias 29 de Outubro e 19 de Novembro de 2016.
  2. Apresentação, discussão e aprovação do Relatório de Atividades e Contas da Federação Portuguesa de Columbofilia e Parecer do Conselho Fiscal relativos ao exercício de 2016.

O Relatório de Atividades e Contas, referente ao ano civil de 2016, foi aprovado por unanimidade pelos delegados presentes. O congresso foi positivo na troca de ideias e contou com diversas intervenções, tendo sido feito, durante a sessão, um balanço do mandato da atual direção da FPC (2013-2017).

A FPC mostra-lhe algumas imagens do Congresso da passada sexta-feira.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os trabalhos terminaram por volta da 00h30 do dia 1 de abril. No final, o presidente da direção da Associação Columbófila do Distrito de Lisboa (ACD Lisboa), Carlos Teixeira, deu a sua opinião sobre o mandato da atual direção da FPC: ”dentro do programa proposto foram coerentes, embora isso possa ter custado alguma popularidade”, sublinhou. Na opinião do dirigente lisboeta as medidas que foram adotadas para as provas “trouxeram mais igualdade competitiva”, e, no caso de Lisboa, “não foram violentas, nem causaram grandes problemas”. Carlos Teixeira sublinhou a cooperação da ACD Lisboa ao longo dos 4 anos de mandato da atual direção da FPC, “ Lisboa sente que deu o seu contributo de forma, algumas vezes, determinante”.

Também o presidente da direção da Associação Columbófila do Distrito de Aveiro (ACD Aveiro), Luís Silva, elogiou as medidas implementadas pela FPC, “nunca tantas mudanças foram feitas em tão pouco tempo, estas alterações tiveram impacto e foram muito positivas”. Na globalidade, para o dirigente aveirense, “o mandato foi positivo”. O presidente da direção da ACD Aveiro aproveitou ainda para destacar as alterações informáticas recentes promovidas pela FPC, “são espetaculares, do melhor a nível mundial dentro do nosso desporto e não só, os novos recursos fizeram-nos evoluir para um patamar muito elevado”.

Luís Silva frisou que, apesar das inovações, “ainda há pessoas com dificuldades em utilizar os novos meios” e que “é necessário um trabalho conjunto de toda a estrutura federativa no sentido de diminuir os constrangimentos que os columbófilos possam ter”. O dirigente considerou que “globalmente, há mais columbófilos satisfeitos com o novo Portal e com as mudanças feitas nos últimos 4 anos”.

Consulte aqui o Relatório de Atividades e Contas referente ao ano civil de 2016 – Relatório de Atividades e Contas 2016- Atividades.

A parte do relatório dedicada à contabilidade pode ser visualizada aqui – Relatório de Atividades e Contas 2016 – Contas.

O Parecer do Conselho Fiscal Apresentação sobre o Relatório de Atividades e Contas da Federação Portuguesa de Columbofilia relativo ao exercício de 2016 pode ser consultado aqui Parecer do Conselho Fiscal

 Durante a sessão intervieram, entre outros, o atual presidente da FPC, José Luís Jacinto, o vice-presidente da FPC, António Branco, o coordenador da Área Desportiva, Almerindo Mota, o coordenador de Standard e juiz Classificador Olímpico, José Maria Gonçalves, e o coordenador para a Área Social e Juventude, Manuel Pereira.

FPC apresenta o Portal de Classificações Distritais

A Federação Portuguesa de Columbofilia (FPC) disponibiliza um novo portal ao serviço dos seus associados: o Portal de Classificações Distritais, disponível em http://distritais2017.fpcolumbofilia.pt

Assente nos mesmos princípios de transparência, rigor e celeridade que o Portal de Classificações Nacionais, o novo Portal de Classificações Distritais disponibiliza as classificações completas de todos as Associações Distritais num único local centralizado, permitindo, em simultâneo, que as Associações Distritais continuem a divulgar as suas classificações nos seus sites institucionais.

O portal simplifica às Associações Distritais a afixação das suas classificações – um único envio automatizado assegura a divulgação das suas classificações distritais e a integração dos resultados no Portal de Classificações Nacionais. Adicionalmente, são realizados controlos de integridade dos dados para detetar e informar as associações de eventuais incoerências.

Aos associados e demais utilizadores do portal, são disponibilizadas classificações com aspeto moderno e dinâmico, permitindo uma visão abrangente e transparente dos resultados alcançados por cada concorrente. Os utilizadores podem fazer um clique sobre os resultados apresentados para aceder a janelas pop-up com os detalhes classificativos. Navegue nos vários separadores dessas janelas para aceder a toda a informação relativa aos concorrentes e respetivos pombos.

Outra novidade do portal é a possibilidade de se consultar o Mapa de Chegadas de cada uma das provas, respeitante a cada um dos campeonatos. Esta funcionalidade representa as chegadas dos pombos num mapa, em tempo acelerado, permitindo analisar o ritmo e as características geográficas das chegadas.

Consulte o novo portal em http://distritais2017.fpcolumbofilia.pt. Pode enviar comentários, críticas ou sugestões através do formulário de contacto do portal.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vice-campeã Olímpica portuguesa pertence à equipa Campos-Flanders Collection

Bruxelas acolheu a 35.ª Edição das Olimpíadas de Columbofilia, nos passados dias 27,28 e 29 de janeiro de 2017. A capital belga foi a sede do evento columbófilo mais importante a nível mundial, tendo reunido no Brussels Meeting Centre “atletas” provenientes de várias zonas do Planeta Terra.

Portugal esteve representado por 31 pombos-correio, que competiram nas diversas categorias, nas duas classes da Exposição Olímpica: Sport e Standard. Entre muitas prestações honrosas, há uma que se destaca. A “atleta” portuguesa com a anilha nº 3102028/13 conseguiu alcançar o 2º lugar, na categoria de Sport Velocidade, dando assim à Seleção Portuguesa mais uma medalha Olímpica, neste caso, a medalha de prata. A nova vice-campeã Olímpica, que conseguiu um coeficiente de 12,8000, faz parte do pombal da Campos-Flanders Collection, uma equipa que competiu, em 2016, nas provas do Grupo Columbófilo da Mealhada, coletividade da ACD Aveiro. A equipa resulta de uma parceria entre um columbófilo português, Paulo Campos, e um columbófilo belga, Yannick Deridder.

A FPC foi até à localidade de Marmeleira, no concelho e distrito de Coimbra, conversar com Paulo Campos, um dos elementos da Campos-Flanders Collection. Na primeira parte da entrevista, Paulo Campos, destacou a importância do resultado e revelou as expetativas que tinha relativamente às prestações dos seus atletas nas Olimpíadas de Columbofilia. Para além do segundo lugar, destaca-se, na mesma categoria -Sport Velocidade-, o 6º lugar de outro pombo-correio proveniente da mesma colónia. O responsável abordou a questão da preparação dos “atletas” para provas de velocidade e meio fundo, tendo salientado a necessidade de se “respeitar” o pombo-correio.

Paulo Campos falou sobre a sua ligação à modalidade e explicou como surgiu a parceria com Yannick Deridder. O responsável deixou algumas críticas ao calendário de provas nacional.

A categoria de Sport Velocidade foi vencida por um “atleta” da Eslováquia, propriedade do columbófilo Peter Grék, que obteve um coeficiente de 11,630. Na mesma categoria, para além das prestações dos “atletas” da Campos-Flanders Collection, destaque ainda para o quinto lugar do pombo-correio de José Lampreia, columbófilo da ACD Beja. Paulo Campos esteve em Bruxelas, juntamente com o seu sócio, a assistir ao vivo às Olimpíadas de Columbofilia. O columbófilo revelou-se “desapontado” pela qualidade da organização e deu a sua opinião sobre o evento.

Paulo Campos revelou as suas expetativas para a campanha de 2017 e mencionou algumas dificuldades que afetam a sua equipa. Nesta campanha os pombos-correio da Campos-Flanders Collection vão participar nas provas da ACD Coimbra.

Deixamos algumas imagens junto ao pombal da Campos-Flanders Collection. Recordamos novamente as fotos retiradas nas Olimpíadas-

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pode visualizar todas as classificações de Sport Classificações Sport 35 Olimpiada e de Standard Classificações STANDARD 35 Olimpiada. Todas as prestações dos “atletas” nacionais podem ser consultadas na notícia – https://wordpress.com/post/press.fpcolumbofilia.pt/5185.

Em janeiro 2019 as 36.ªas Olimpíadas de Columbofilia vão decorrer em Kielce, na Polónia. Continue atento ao blog e ao site da FPC, porque vamos continuar a trazer-lhe as novidades da columbofilia portuguesa e os momentos que vão marcar a campanha de 2017.

“Atleta” de Sílvio Vilar alcançou o pódio nas Olimpíadas de Bruxelas

O Brussels Meeting Centre, no “coração” da cidade belga de Bruxelas, acolheu a 35.ª edição das Olimpíadas Columbófilas, no final do passado mês de janeiro (dias 27,28,29). O evento contou com a presença de 31 “atletas” portugueses, que competiram nas diversas categorias das duas classes da Exposição Olímpica: Sport e Standard. Entre os pombos-correio que mais se destacaram na Bélgica, está a “atleta” de Sílvio Vilar, que alcançou o 3º lugar na classe Sport, categoria Absoluta.

A FPC foi conversar com o columbófilo, que compete nas provas do Grupo Columbófilo da Gafanha, coletividade da Associação Columbófila do Distrito de Aveiro (ACD Aveiro). Com o pombal instalado na localidade de Gafanha de Aquém, no concelho de Ílhavo, Sílvio Vilar, que está ligado à modalidade há várias décadas, considera que este resultado foi “o coroar de muito trabalho”.

Sílvio Vilar frisou que a especialidade que mais lhe agrada é o Fundo. O columbófilo aveirense falou-nos da sua ligação à modalidade, revelou que, inclusive, “já chorou em frente ao pombal” e contou uma história de superação de um ”atleta” seu. Durante a segunda parte da entrevista Sílvio Vilar também explicou os critérios que utiliza na seleção de pombos-correio para as diferentes provas.

Com um coeficiente de 27, 0684, a “atleta” com a anilha nº 3475334/13 alcançou a medalha de bronze na classe sport, categoria absoluta, tendo sido batida apenas por um pombo-correio polaco e pelo pombo checo, propriedade de Marek Skrbek, que se sagrou campeão Olímpico com um coeficiente de 22,913 (pode consultar todas as classificações da classe Sport em Classificações Sport 35 Olimpiada). Sílvio Vilar sente que este resultado pode trazer maior visibilidade para o seu pombal. O columbófilo falou também sobre as suas expetativas para a campanha de 2017.

Deixamos algumas fotos de Sílvio Vilar junto ao seu pombal, acompanhado por diversos “atletas” da sua colónia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As 35ªs Olimpíadas Columbófilas mostraram a qualidade do desporto columbófilo mundial. A prestação da Seleção Portuguesa foi, globalmente, positiva. Para além de uma medalha de bronze, Portugal sagrou-se vice-campeão Olímpico, também na classe de Sport, mas na categoria de Velocidade. O feito foi alcançado por atleta da equipa, que também competiu, em 2016, nas provas da ACD Aveiro, Campos & Flanders Collection. A FPC vai trazer-lhe a entrevista a um dos elementos da equipa, que esteve em Bruxelas a assistir ao evento. Pode consultar também as classificações da classe de Standard através da ligação – Classificações STANDARD 35 Olimpiada.

Continue atento às novidades do blog – https://press.fpcolumbofilia.pt/ e do site da FPC – http://www.fpcolumbofilia.pt/