Nelson António Queirós Neiva, teve o 1º pombo com a melhor média na prova nacional de Valência Del Cid, no distrito de Viana do Castelo, com o pombo nº 6454525/16.

Nelson Neiva.jpg

Nelson António Queirós Neiva, teve o 1º pombo com a melhor média na prova nacional de Valência Del Cid, no distrito de Viana do Castelo, com o pombo nº 6454525/16.

Como e quando é que decidiu entrar para o “mundo” da columbofilia?

NN – Sou columbófilo há 27 anos e o meu interesse por este desporto foi despertado pelo meu primo que me convidava a ver a chegada dos pombos. A partir daí, o bichinho entrou e decidi entrar neste desporto para me sentir ocupado nos tempos livres.

Olhando para a solta do dia 2 de junho, o que pensa desta prova nacional de fundo de âmbito nacional organizada pela FPC? Que balanço faz?

NN – O balanço foi bastante positivo, o tempo ajudou e dos 6 pombos que enviei chegaram 4.

Qual é a sensação de ter ganho o 1º pombo distrital numa prova com esta dimensão?

NN – Foi extraordinário, uma vez que no meu clube e no distrito existem columbófilos muito melhores do que eu. Como não tenho muito tempo para treinar os pombos, só posso dizer que fiquei muito feliz por a minha pombinha ter marcado à frente de todos os outros.

Que tipo de preparação fez aos seus pombos para esta prova?

NN – A melhor preparação é treinar bem os pombos, estarem de boa saúde e principalmente ter uma boa alimentação.

Os meus pombos na segunda e na terça-feira voam o máximo 45 minutos e na quarta-feira já podem voar uma hora.

Em relação à alimentação para este tipo de provas, de segunda a quarta-feira dou comida normal mas de forma controlada, apenas o suficiente para não terem fome. Na quarta-feira de tarde já começo por juntar um pouco de milho e comem até querer. Na quinta-feira de manhã, antes o encestamento, comem uma comida mais grossa.

No dia do encestamento junto sempre as fêmeas aos machos, cerca de 30 minutos, para ficarem mais motivados a regressarem ao pombal.

Acha que a Federação Portuguesa de Columbofilia deve continuar a organizar as provas de fundo de âmbito nacional (soltas únicas e conjuntas) com partida em Valência?

NN – Concordo que a FPC deve continuar a organizar as provas de fundo de âmbito nacional. Apenas fico um pouco triste porque penso que os critérios de avaliação deveriam ser outros, porque uns pombos voam 500 a 600 km enquanto que o meu teve de voar mais de 700 km.

A equipa Barroso & Ruben, teve o 1º pombo com a melhor média na prova nacional de Valência Del Cid, no distrito de Portalegre, com o pombo nº 5402477/15.

Barroso & Ruben.jpg

A equipa Barroso & Ruben, teve o 1º pombo com a melhor média na prova nacional de Valência Del Cid, no distrito de Portalegre, com o pombo nº 5402477/15.

Como e quando é que decidiu entrar para o “mundo” da columbofilia?

B&R: Há 48 anos o meu avô decidiu entrar no “mundo” da columbofilia pois um seu vizinho tinha pombos e concorria. Então ele começou a gostar deste desporto e começou a concorrer também. Já eu, decidi começar por causa do meu avô que percebeu que eu gostava dos pombos e de tratar deles, e como ele já não concorria há alguns anos (15 anos por motivos profissionais) decidimos criar a sociedade e começar a concorrer na Sociedade Columbófila de Elvas.

Olhando para a solta do dia 2 de junho, o que pensa desta prova nacional de fundo de âmbito nacional organizada pela FPC? Que balanço faz?

B&R: Acho que é bom organizarem este tipo de provas pois faz com que os columbófilos e as associações mostrem o seu valor na columbofilia, fazendo por isso um balanço positivo.

Qual a sensação de ter ganho o 1º distrital numa prova com esta dimensão?

B&R: Fazer um 1º a nível distrital tem um sabor muito especial, sendo uma grande recompensa por este e por todos os anos de trabalho anteriores.

Que tipo de preparação fez aos seus pombos para esta prova?

B&R: A preparação foi a habitual, alimentação controlada diariamente e boa preparação física durante a semana para que no dia da prova os pombos estejam em perfeitas condições de a realizar.

Acha que a FPC deve continuar a organizar as provas de fundo de âmbito nacional (soltas únicas e conjuntas) com partida em Valência?

B&R: Acho que sim, pois ao ser a nível nacional, junta um número elevado de pombos e depois podemos tirar ilações sobre os nossos atletas.

Humberto José F. Carvalho, teve o 1º pombo com a melhor média na prova nacional de Valência Del Cid, no distrito de Coimbra, com o pombo nº 6232273/16.

Banner humberto.

Como e quando é que decidiu entrar para o “mundo” da columbofilia?

HC: Sou columbófilo há 16 anos e o mundo da columbofilia já vem de  família. O meu avô era columbófilo tendo passado o vício para o meu tio e este para mim.

Olhando para a solta do dia 2 de junho, o que pensa desta prova nacional de fundo de âmbito nacional organizada pela FPC? Que balanço faz?

HC: A prova em si torna-se algo de espectacular por vermos milhares de pombos a nível nacional a serem soltos no mesmo sítio e todos a tomarem o seu rumo ao pombal. O mais fascinante é o site da FPC informar em tempo real a chegada dos primeiros pombos dos distritos. Aí sim, começamos a entrar em ansiedade até à chegada do nosso primeiro pombo.

Qual é a sensação de ter ganho o 1º distrital numa prova com esta dimensão?

A sensação é muito boa, de orgulho. Foi a primeira vez que ganhei um distrital e este concurso teve um valor especial por ter sido uma prova nacional com uma solta conjunta com todos os pombos do país num mesmo local.

Fiquei ainda mais contente pois a FPC ligou-me a dar os parabéns por ter sido a primeira pessoa a comunicar um pombo do meu distrito. Foi de louvar esta atitude.

Que tipo de preparação fez aos seus pombos para esta prova?

HC: A preparação para uma prova desta dimensão parte logo por ter os pombos num bom estado de saúde, treino e uma boa alimentação. O resto deve-se à qualidade dos pombos.

Acha que a Federação Portuguesa de Columbofilia deve continuar a organizar as provas de fundo de âmbito nacional (soltas únicas e conjuntas) com partida em Valência?

HC: Em termos da FPC continuar a realizar as provas de âmbito nacional, acho que não há igualdade por distritos, porque em geral o vento é sempre norte o que vem favorecer os pombos mais a sul e os do centro do país. Outro factor tem a ver com  as serras que os nossos pombos atravessam, e as dificuldades acrescidas quando há nuvens. No caso do nosso distrito, os pombos se seguissem em linha reta, teriam que atravessar a serra da estrela no seu ponto mais alto, o que é impossível.

Jorge Augusto Silva Lopes teve o 1º pombo com a melhor média na prova nacional de Valência Del Cid, no distrito de Aveiro, com o pombo nº 5060803/15.


Jorge Lopes

Jorge Augusto Silva Lopes teve o 1º pombo com a melhor média na prova nacional de Valência Del Cid, no distrito de Aveiro, com o pombo nº 5060803/15.

Como e quando é que decidiu entrar para o “mundo” da columbofilia?

JL – Uns amigos motivaram-me para praticar este desporto quando me ofereceram alguns borrachos e, em 2008, eu e a minha mãe, Alice da Conceição Silva, decidimos dar início a este nobre desporto.

Logo no primeiro ano fomos campeões de iniciados na Associação columbófila do Distrito de Aveiro e a partir daí comecei a ter uma enorme paixão pelos pombos. Claro que este sucesso deve-se principalmente à ajuda que tive por parte de alguns amigos columbófilos.

Olhando para a solta do dia 2 de junho, o que pensa desta prova nacional de fundo de âmbito nacional organizada pela FPC? Que balanço faz?

JL –  Para mim, é uma das provas que todos gostam e mais aguardam numa época desportiva, a prova nacional de fundo. Claro que, no meu caso, o balanço é positivo, ter o melhor pombo com a melhor média nesta prova é algo que todos os columbófilos gostariam de conseguir.

 Qual é a sensação de ter ganho o 1º distrital numa prova com esta dimensão?

 JL –  É difícil de descrever, pois entre tantos bons columbófilos do distrito de Aveiro, alcançar o primeiro lugar é uma enorme alegria. Mesmo com algumas dificuldades e muito trabalho, ver chegar uma pomba que realizou cerca de 700 km não há palavras para descrever tanta emoção e alegria.

 Que tipo de preparação fez aos seus pombos para esta prova?

JL –  A melhor preparação é treinar bem os pombos, estarem de boa saúde e principalmente ter uma boa alimentação. Tratar o pombo-correio com muito carinho e dedicação para que ele possa realizar uma boa prova e dar alegrias ao seu dono.

Acha que a Federação Portuguesa de Columbofilia deve continuar a organizar as provas de fundo de âmbito nacional (soltas únicas e conjuntas) com partida em Valência?

JL –  Sem dúvida alguma, pois só assim também se poderá competir a nível nacional com todos os columbófilos, testando a capacidade dos nossos pombos juntamente com os outros columbófilos. Para mim é uma das provas mais importantes a nível de fundo. É a prova rainha.

Aproveito para dedicar esta vitória a todos os columbófilos, nacionais ou distritais, e a todos os meus amigos que me têm ajudado a alcançar muitos dos êxitos nas provas de fundo.

Durante a próxima semana, continuaremos a dar a conhecer os columbófilos que classificaram o 1º pombo distrital, com a melhor média na prova nacional de Valência que decorreu no passado dia 02 de junho de 2018.