Fernando Justino: “É mais difícil treinar um pombo-correio que um guarda-redes de futebol”

Nascido em terras albicastrenses, decorria o ano de 1960 (é natural da freguesia de Salvador, no município de Penamacor, distrito de Castelo Branco) mas, desde muito novo, habituado aos ares e às rotinas da capital portuguesa, Lisboa. A vida de Fernando Justino está ligada ao desporto, nomeadamente a duas modalidades: o futebol e a columbofilia, ou melhor, a columbofilia e o futebol, porque aos 6 anos, o agora treinador de guarda-redes da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), teve o primeiro contacto com um pombo-correio, ainda antes de experimentar o “mundo” dos golos e das grandes defesas.

Entre os 11 e os 22 anos o Sporting Clube de Portugal foi a sua casa (saiu do conjunto verde e branco em 1980). Como guarda-redes passou depois por clubes como o Recreio Desportivo de Águeda, a União Desportiva de Leiria, o Clube de Futebol Os Belenenses, o Amora Futebol Clube, tendo terminado a carreira de jogador, ao serviço do Atlético Clube de Portugal (época 1997/1998). Foi internacional por Portugal nas camadas jovens, tendo participado no Mundial sub20, em 1980, no Japão (prova vencida pela Argentina de Diego Maradona, em que Portugal foi eliminado nos quartos-de-final pelo Uruguai, após vitória por 1-0 no prolongamento).

Abandonou os relvados por pouco tempo. A sua vida profissional continuou ligada ao futebol, tendo iniciado a carreira como treinador de guarda-redes na época 2001/2002, na equipa B do clube que o formou como jogador, o Sporting Clube de Portugal. Saiu da equipa leonina em 2006, quando decidiu abraçar o projeto de Fernando Santos que, na época, se preparava para orientar o Sport Lisboa e Benfica. Com o atual selecionador português viajou para a Grécia, onde acompanhou “o engenheiro” nos trabalhos na equipa de Salónica, o PAOK, 3 épocas, e na seleção Grega, em 4 temporadas (apuramento e fase final do Euro2012 e do Mundial2014). O regresso, pela porta maior, ao futebol português aconteceu em 2015, acompanhando novamente Fernando Santos. Durante o trajeto houve outra paixão que nunca foi esquecida, a columbofilia.

Em entrevista à FPC, Fernando Justino, falou sobre o início da sua ligação à modalidade e destacou as ajudas que teve para manter o seu pombal ativo, nomeadamente do amigo, e também columbófilo, Amadeu Júlio. O técnico sublinhou que a columbofilia “é uma paixão” e que as férias fora das quatro linhas são, muitas vezes, “passadas no pombal”.

Vários “atletas” da sua colónia competiram, durante a campanha desportiva de 2017, nas provas, ao nível da coletividade, da Sociedade Columbófila de Sacavém, ao nível distrital nas da Associação Columbófila do Distrito de Lisboa (ACD Lisboa) e, a nível nacional, nos Campeonatos Nacionais organizados pela FPC. Fernando Justino revelou-nos mais pormenores sobre a sua colónia, bem como algumas conquistas e prémios que já alcançou nas diversas competições. O treinador de guarda-redes da FPF, cuja velocidade é a especialidade de competição favorita, enumerou alguns aspetos positivos e negativos que se registam na evolução da columbofilia.

O técnico abordou a competição de Derbies, tendo dado a sua opinião sobre os Campeonatos Internacionais de Columbofilia-MIRA. Fernando Justino, quando não tem compromissos profissionais, tem por hábito ir até ao Columbódromo Internacional Gaspar Vila Nova assistir ao dia da prova final, que este ano decorre a 2 de setembro. O columbófilo deixou ainda uma mensagem para todos os que continuam a praticar a modalidade e para os admiradores do pombo-correio.

O columbófilo elogiou também os atributos do pombo-correio português.

Já depois de ter ajudado Rui Patrício a ser considerado o melhor guarda-redes do último Campeonato da Europa, foi agraciado com o Grau de Comendador da Ordem de Mérito pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, tendo ainda, no passado mês de julho, dado o seu contributo para o inédito 3º lugar de Portugal na estreia na Taça das Confederações, na Rússia. No futebol os objetivos passam, agora, por levar Portugal a conseguir o apuramento para o Mundial de 2018, na Rússia. Na columbofilia os seus “atletas” têm somado bons resultados e Fernando Justino quer continuar a competir e a praticar este “hobby que muitos amadores amam”, confessou.

Algumas fotografias de Fernando Justino junto aos seus “atletas”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A conversa decorreu no pombal onde está instalada a colónia de Fernando Justino, em Sacavém. A FPC agradece a disponibilidade demonstrada para a realização da entrevista. Toda a reportagem está disponível, na íntegra, no BLOG e no site da FPC. Todos os vídeos da entrevista podem ser visualizados na conta de Youtube da FPC: FPC VIDEOS .

Columbofilia e futebol: duas modalidades que marcam a vida de Fernando Justino

No dia 10 de julho de 2016, em pleno Stade de France, o futebol português conquistou o título mais importante de seleções seniores, a nível europeu. O minuto 109, bem como o portentoso remate de Éder, ficaram nas memórias dos portugueses, tendo levado milhares de pessoas a sair à rua para festejar a vitória alcançada em terras gaulesas. A vitória por 1-0 frente à França foi conseguida com muito sofrimento, luta e, acima de tudo, uma crença inabalável de que era o momento de Portugal ser Campeão Europeu de Futebol.

Fundamental para este sucesso foi a equipa técnica da Seleção Portuguesa. Para além do rosto maior, o selecionador Nacional, Fernando Santos, também os treinadores adjuntos, os preparadores, os elementos do departamento médico e o staff foram essenciais para unir os jogadores e criar na equipa um espírito de conquista, alicerçado no sonho de vários milhões de portugueses e apoiantes da Seleção Portuguesa. Entre os elementos de confiança de Fernando Santos está Fernando Justino.

O atual treinador de guarda-redes -equipa sénior masculina- da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) integra as equipas técnicas do selecionador português desde os tempos em que o treinador orientou o Sport Lisboa e Benfica, em 2006/2007.Fernando Justino tem, para além do futebol, uma paixão por outra modalidade: a columbofilia.

Natural de Penamacor, no distrito de Castelo Branco, mudou-se, ainda muito novo, para Sacavém, em Lisboa, tendo iniciado a sua ligação à columbofilia com 6 anos, influenciado por um primo. Num percurso dividido entre o futebol e a paixão pelos pombos-correio, teve de interromper a atividade columbófila entre os 11 e os 22 anos, porque foi jogar para o Sporting Clube de Portugal. O regresso ao contacto com os “atletas de duas asas” deu-se quando foi jogar para o Clube de Futebol Os Belenenses (1983). Atualmente com 56 “ primaveras” já completadas, Fernando Justino, continua a competir nas provas da Sociedade Columbófila de Sacavém, coletevididade da ACD Lisboa. São quase 5 décadas de fascínio pelos pombos-correio, numa ligação que se vai mantendo bem viva e que sempre teve de conciliar com a sua atividade profissional: primeiro como jogador de futebol (foi guarda-redes -sénior- durante quase 2 décadas) e depois como treinador de guarda-redes. Atualmente mantém ativo um pombal, algo que só é possível devido à ajuda do amigo, também ele um columbófilo praticante, Amadeu Júlio.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Amanhã contamos-lhe a história do columbófilo Fernando Justino. O técnico que ajudou Rui Patrício a ser considerado o melhor guarda-redes do último Campeonato da Europa, foi agraciado com o Grau de Comendador da Ordem de Mérito pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, e, já no passado mês de julho, deu o seu contributo para o inédito 3º lugar de Portugal na estreia na Taça das Confederações, na Rússia. Na columbofilia os seus “atletas” têm somado bons resultados e Fernando Justino quer continuar a competir e a praticar este “hobby que muitos amadores amam”, confessou.

A conversa será disponibilizada, na íntegra, amanhã, no BLOG– e no site da FPC– , por isso já sabe, fique atento às notícias.

Alunos da EB1 de Esgueira tiveram um dia dedicado ao pombo-correio

Foi um final de ano letivo diferente para os alunos da Turma 1B, do 1º Ciclo do Ensino Básico, da Escola Básica de Esgueira (EB1 Esgueira), unidade escolar que está integrada no Agrupamento de Escolas de Esgueira. Durante toda a sexta-feira, dia 16 de junho, 18 crianças puderam contatar de perto com a columbofilia e, acima de tudo, ficaram a conhecer melhor o pombo-correio, bem como as suas “tarefas” ao longo da história da Humanidade.

Este dia diferente foi proporcionado pela Federação Portuguesa de Columbofilia (FPC) e a Associação Columbófila de Esgueira (ACE), coletividade fundada em 1952, na freguesia de Esgueira, no distrito de Aveiro. Os “atletas” do pombal pedagógico que está instalado junto à sede da ACE, que competem nas provas da Associação Columbófila do Distrito de Aveiro (ACD Aveiro), receberam a visita de 18 “pequenos” estudantes, num dia dividido entre em que o centro das atenções foi um: o pombo-correio.

Na parte da manhã, ainda nas instalações da EB1 de Esgueira, os alunos, para além de receberem mais informações sobre os alados e verem imagens de soltas, puderam enviar as suas mensagens através de pombos-correio. Durante a tarde as crianças visitaram o pombal pedagógico instalado junto à sede da AC de Esgueira.

O coordenador da área social e juventude da FPC, Manuel Pereira, contou-nos o que aconteceu nas instalações da EB1 da Esgueira, durante o período da manhã.

Na segunda parte da entrevista Manuel Pereira avaliou a importância deste tipo de ações para a conquista de novos praticantes para a modalidade. O coordenador da FPC falou também sobre o papel de um pombal pedagógico.

A acompanhar os jovens da turma 1B estiveram a coordenadora da EB1 de Esgueira, Guiomar Neves, e a professora titular pela turma, Cidália Silva. A coordenadora da escola, Guiomar Neves, explicou como surgiu a ideia da visita e revelou o interesse mostrado pelos alunos.

Na opinião de Guiomar Neves o contacto direto com animais é importante para crianças deste ciclo de ensino.

O atual presidente da direção da AC Esgueira, José António Ribeiro, também acompanhou a visita e foi o anfitrião dos visitantes. Em declarações à FPC, o responsável abordou a importância deste tipo de iniciativas.

Atualmente são 23 os columbófilos que competem nas provas da ACE. José António Ribeiro destacou a necessidade de “haver maior intercâmbio” entre as diferentes coletividades portuguesas.

Mostramos-lhe algumas fotografias com os vários momentos do dia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O dia terminou com um lanche oferecido pela ACE aos alunos e respetivos professores da EB1 de Esgueira. Entre a alegria, misturada com sorrisos e ares de surpresa, os suspiros devido ao calor também se fizeram sentir. Ainda assim, muitos jovens conseguiram ter uma pequena noção, alguns pela primeira vez, do que é a columbofilia. Os “atletas” ganharam novos fãs e, quem sabe, se a modalidade não ganhou futuros praticantes.

A reportagem pode ser consulta em http://www.fpcolumbofilia.pt/ ou no Blog da FPC – https://press.fpcolumbofilia.pt/

“Maratona animou Portugal” – Jornal Record – 11 de junho

No passado domingo, dia 11, o jornal Record dedicou duas páginas (página 40 e 41 da edição impressa) à columbofilia portuguesa. O maior destaque foi para os vencedores, de cada distrito, na primeira prova dos Campeonatos Nacionais de Fundo 2017 (CNFundo2017), mas também há a análise do coordenador desportivo da FPC, Almerindo Mota, à solta e algumas infografias.

Consulte aqui o pdf das duas páginas- REC11 de junho de 2017 e REC11 de junho de 2017-2.  As fotografias dos vencedores aparecem desfocadas no documento mas, na versão impressa, esse detalhe foi corrigido.

A reportagem foi também publicada online e pode ser consultada através da ligação- “Columbofilia: Maratona Animou Portugal”. A fotografia que acompanha a foto do trabalho publicado no site é da responsabilidade do próprio jornal.

Chamamos a atenção para o facto de, aquando da publicação, ainda não se saber do adiamento da segunda solta dos CNFundo2017, marcada inicialmente para este sábado, dia 17 de junho. Consulte o comunicado oficial do adiamento-Comunicado-2ª Prova Nacional-Valência-17JUN2017 e a previsão meteorológica, elaborada pelo meteorologista da FPC, Fernando Garrido, Relatorio meteorológico – solta de Valência- 17JUN2017.

No passado dia 13 foi emitido um novo comunicado com uma possível data para a realização da prova. O próximo domingo, dia 25 de junho, é a data, salvaguardando apenas qualquer evolução negativa no que respeita às condições meteorológicas previstas para aquela data. O comunicado pode ser consultado em –2º Comunicado-2ªProva Nacional de Fundo – Valência – 25 de junho de 2017 .

Recordamos todos os columbófilos que os encestamentos decorrem na próxima sexta-feira, dia 23 de junho.

Vamos trazer-lhe mais novidades sobre a prova. Já sabe, fique atento ao blog https://press.fpcolumbofilia.pt/ e ao site da FPC-http://www.fpcolumbofilia.pt .

CNFundo2017-Classificações Provisórias: ACD Aveiro- Abílio Almeida conquista o 1º lugar

A primeira prova dos CNFundo contou a presença de cerca de 50.000 pombos-correio. O início desta “maratona” decorreu, pelo terceiro ano consecutivo, em território espanhol, Albuixech, em Valência.

A Associação Columbófila do Distrito do Aveiro (ACD Aveiro) encestou 9.649 “atletas” e, entre eles, a fêmea com a anilha nº 5017951/15 alcançou, provisoriamente, o primeiro lugar a nível distrital. Propriedade do columbófilo Abílio Almeida, que compete nas provas da Sociedade Columbófila de Macieira de Sarnes, coletividade fundada em 1960, na localidade de Macieira de Sarnes, no município de Oliveira de Azeméis, chegou às 14:40:38, ao seu pombal, tendo percorrido um total de 711, 248 kms, o que se traduz numa média de 1449,654 m/m.

Este primeiro lugar foi conquistado por 1 segundo. Numa espécie de “maratona decidida ao sprint”, o pombo nº5030076/15, da equipa Joca Pigeon Team, que compete nas provas da Sociedade Columbófila de Azeméis, chegou às 14:41:56, depois de ter voado 713, 150 Kms, fazendo uma média de 1449,640. Embora na comunicação do primeiro pombo chegado de Valência tenha ficado no 2º lugar, com uma média próxima do 1º classificado, após as classificações efetuadas nas respetivas coletividades, verificou-se que a equipa Joca Pigeons Team, devido ao atraso de 1 segundo no relógio constatador da própria equipa, passou para o 2º lugar, e a “atleta” do columbófilo Abílio Almeida passou para o 1º, ficando, assim, à frente na classificação do distrito de Aveiro, devido à diferença, ao nível das milésimas, na média final.

Entrevistámos Abílio Almeida sobre esta vitória decidida nos instantes finais da prova.

Quantos pombos- correio enviou para a prova de Valência?

Abílio Almeida (AA) – Encestei 15 pombos-correio para esta prova.

Quais eram as suas expectativas para a prova?

Abílio Almeida (AA) – É sempre uma prova difícil. Enviei “atletas” com qualidade, mas nunca pensei marcar um primeiro lugar no distrito.

Qual é a sensação de ter um pombo que é o primeiro classificado, ainda que provisoriamente, do distrito de Aveiro?

AA – É espetacular. É sempre um prémio com um reconhecimento diferente. Não é fácil, no meio de tantos pombos-correio, conseguir ter o primeiro.

Uma vitória decidida ao segundo, numa prova em que os dois primeiros fazem, 711 e de 713 kms, respetivamente. Que comentário lhe merece este resultado?

AA – Eu não sei como descrever esta situação. No momento em que a “atleta” pousa, nós só sabíamos que havia chegadas comunicadas de outros distritos. Quando ela chegou fiquei logo com a sensação que poderia fazer um bom resultado ao nível do distrito

O “atleta” número 5030076/15, da equipa Joca Pigeons Team, passou para o 2º lugar devido a uma diferença mínima de tempo. Que mensagem gostava de deixar em relação a isso?

AA – Provavelmente os pombos devem ter vindo juntos, depois tem a ver com a entrada deles no pombal. Queria dar os meus parabéns ao “atleta” e à equipa Joca Pigeons Team pelo 2º lugar, porque conforme perdeu por 1 segundo, podia ter ganhado. Há mais provas, a campanha prossegue e não vão faltar oportunidades para ficar no primeiro lugar.

Este pombo de 2015 é um macho ou fêmea? Como preparou o/a “atleta” para esta prova?

AA – É uma fêmea. As 15 “atletas” que participaram na prova foram separadas do resto da colónia e tiveram uma alimentação diferente. Enquanto outros pombos-correio participavam e chegavam de provas de velocidade e meio-fundo, já estas 15 estavam “à parte”. Esta “atleta” esteve na dúvida, não parecia estar muito bem. O meu pai, Alberto Almeida, que me ajuda em todas as tarefas do pombal, até me aconselhou a não enviar esta fêmea, mas eu tinha uma opinião diferente e, felizmente, acabei por encestá-la para esta prova.

Esta “atleta” já tinha obtido classificações de relevo na presente campanha ou em anteriores? Quais?

AA- Não. Ela no ano passado era um borracho, só participou em duas provas, pela nossa equipa B, para ganhar algum ritmo de voo, mas conseguiu marcar nas duas. Em dezembro de 2016, quando fizemos a vacinação de todos os pombos-correio da nossa colónia, ela estava mal da asa, deixou, inclusive, de voar. Acabámos por tratá-la e ela voltou a voar normalmente. Decidi enviá-la para a primeira prova dos Campeonatos Nacionais de Fundo 2017 e o resultado alcançado mostra as qualidades desta “atleta”.

O 1º lugar na prova de Valência teve o mesmo sabor de um 1º noutra prova de fundo ou considera-o mais relevante? Porquê?

AA- Considero que é mais difícil alcançar este resultado numa prova que conta com a participação de pombos-correio de todo o país. Há mais arrastamentos também. Tivemos sorte de ela ter vindo na direção correta porque, se calhar, se viesse no bando dos “atletas” de Portalegre, por exemplo, já não iria fazer esta média e já não seria, provavelmente, a primeira classificada do distrito de Aveiro. Eu acho que esta é uma prova mais difícil, por isso o sabor do 1º lugar é melhor.

Tem 23 anos, idade que faz de si um columbófilo relativamente jovem. Como é que chegou a este deporto e o que é que o motivou a ser columbófilo?

AA- O meu pai, Alberto Almeida, tem pombos-correio desde 1976. Eu nasci em 1993 e ele já era columbófilo. Em 1994 fui inscrito como sócio da nossa coletividade, ainda eu não sabia o que era um pombo-correio. Desde pequeno, com 6 ou 7 anos, sempre andei no pombal com o meu pai. No final do milénio ele passou a nossa colónia para o meu nome e, a partir daí, tenho-me envolvido muito mais nas tarefas do pombal. Nos últimos 6, 7 anos estou faço muito mais tarefas, mas somos uma boa equipa, eu e o meu pai, porque quando um não pode o outro arranja forma de estar disponível. Sempre adorei este desporto e vou continuar a fazê-lo. Pratico futebol, mas isto é diferente.

Podemos dizer, neste caso, que está há mais tempo ligado à columbofilia do que ao futebol?

AA- Sim. Quando fui atleta federado de futebol e tinha jogos ao domingo, acabava por não conseguir ver chegar os pombos-correio. Fazia todas as tarefas no pombal, mas não conseguia ter esse prazer. Agora? É o contrário. Havendo chegada de pombos-correio, o futebol fica para 2º plano.

E quanto à 2ª solta de Valência, quantos pombos vai enviar e quais são as expectativas?

AA – Vou enviar novamente 15 e, possivelmente, serão as mesmas 15 “atletas”, porque chegaram todas da 1ª solta, o que é bom. Relativamente às expetativas, gostava que prova corresse de uma forma semelhante à primeira, mas se isso não acontecer estamos cá para dar os parabéns aos vencedores.

As soltas dos Campeonatos Nacionais de Fundo decorrem, pelo terceiro seguido, em Albuixech, Valência. Que opinião tem sobre esta prova? É um projeto que deve continuar?

AA – Acho que deve continuar. Esta é uma prova que permite ligar todos os distritos. Há uns que encestam mais que outros e este tipo de provas é boa para fazer uma ligação nacional da nossa columbofilia. Talvez se pudesse mudar o sítio, mas não consigo ter uma opinião fundamentada sobre isso. Acho que é um bom projeto e que até podiam haver mais provas semelhantes durante a campanha.

Portanto, na sua opinião, deveria haver mais soltas por ano com este âmbito, ou seja provas nacionais?

AA- Exatamente. Acho que as soltas poderiam ser feitas, inclusive, noutros sítios, com mudança das linhas de voo. Acho que o projeto é interessante e pode evoluir mais, mas, em suma, é uma excelente iniciativa da Federação Portuguesa de Columbofilia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pode consultar as reportagens com os primeiros classificados provisórios de todos os distritos em –Press FPC e ao Site FPC.

Os resultados da primeira solta dos Campeonatos Nacionais de Fundo 2017 estão disponíveis em Campeonato Nacional de Fundo – Resultados da 1ª Prova. A 2ª prova está marcada para o próximo dia 17 de junho e vamos trazer-lhe todas as novidades, através das plataformas habituais.

CNFundo2017-Classificações Provisórias: ACD Évora – 1º lugar para José Miguêns

A primeira prova dos CNFundo contou a presença de cerca de 50.000 pombos-correio. O início desta “maratona” decorreu, pelo terceiro ano consecutivo, em território espanhol, Albuixech, em Valência.

A Associação Columbófila do Distrito de Évora (ACD Évora) encestou 2.329 “atletas” e, entre eles, a fêmea número 5344500/15 alcançou, provisoriamente, o primeiro lugar a nível distrital. Propriedade do columbófilo José Miguêns, que compete nas provas da Sociedade Columbófila Rainha Santa Isabel, coletividade do município de Estremoz, chegou às 13:28:26, ao seu pombal, tendo percorrido um total de 633.053 kms, o que se traduz numa média de 1 512,913 m/m.

A FPC falou com José Miguêns sobre o resultado atingido na primeira prova dos Campeonatos Nacionais de Fundo 2017.

FPC – Quantos pombos- correio enviou para a prova de Valência?

José Miguêns (JM) – Enviei 15 pombos-correio para a prova e encestei mais 26 para o campeonato do Pombo-Ás. No total estiveram 41 “atletas” da minha colónia a participar.

Quais eram as suas expectativas para a prova?

José Miguêns (JM) – As expetativas passam sempre por marcar o melhor possível. Antes da prova o meu primeiro objetivo era esse.

Qual é a sensação de ter um pombo que é o primeiro classificado, ainda que provisoriamente, do distrito de Évora?

(JM) – A sensação é ótima. É uma recompensa pelo trabalho que temos durante todo o ano.

Este pombo de 2015 é um macho ou fêmea? Como preparou o/a “atleta” para esta prova?

(JM) – É uma fêmea. As origens dela são muito boas, pois é filha de um anterior campeão nacional de fundo, portanto, vem de uma boa linhagem. Para além disso, o tratamento que ela teve foi igual ao dos outros pombos-correio que enviei. Não houve nenhuma preparação específica para ela.

Esta “atleta” já tinha obtido classificações de relevo na presente campanha ou em anteriores? Quais?

(JM) – Em 2017 é o segundo ano que ela está a voar e é o primeiro em que participa em provas de fundo. Em 2016 já se tinha classificado em algumas provas da coletividade, mas nunca tinha alcançado um resultado como este. 

O 1º lugar na prova de Valência teve o mesmo sabor de um 1º noutra prova de fundo ou considera-o mais relevante? Porquê?

(JM) – Este tem outro sabor. São muito mais pombos-correio a competir e é uma solta a nível nacional. Esta prova é mais difícil, por isso este primeiro lugar tem um gosto diferente.

E quanto à 2ª solta de Valência, quantos pombos vai enviar e quais são as expectativas?

(JM) – A equipa está, mais ou menos, constituída. Irei enviar os 15 pombos-correio e mais alguns para o Pombo-Ás, ainda não defini quantos, só mais próximo do encestamento é que irei “fechar” a equipa. Vamos tentar trabalhar o melhor que podemos e sabemos para tentar estar no mesmo nível.

As soltas dos Campeonatos Nacionais de Fundo decorrem, pelo terceiro seguido, em Albuixech, Valência. Que opinião tem sobre esta prova? É um projeto que deve continuar?

(JM) – Eu acho que devem continuar, apesar de haver muita gente contra a realização destas soltas. Considero que estas provas são uma mais-valia para o próprio país e para o pombo-correio português.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A FPC vai continuar a divulgar reportagens com os primeiros classificados, ainda provisórios, de cada Associação Distrital de Columbofilia. Fique atento ao nosso blog-Press FPC e ao Site FPC.

CNFundo2017-Classificações Provisórias: ACD Viana do Castelo- Moisés Costa em 1º lugar

A primeira prova dos CNFundo contou a presença de cerca de 50.000 pombos-correio. O início desta “maratona” decorreu, pelo terceiro ano consecutivo, em território espanhol, Albuixech, em Valência.

A Associação Columbófila do Distrito de Viana do Castelo (ACD Viana do Castelo) encestou 1.191 “atletas” e, entre eles, o macho número 4427119/14 alcançou, provisoriamente, o primeiro lugar a nível distrital. Propriedade do columbófilo Moisés Costa, que compete nas provas da Sociedade Columbófila de Barroselas, coletividade fundada em 1933 na vila de Barroselas, chegou às 15:46:12, ao seu pombal, tendo percorrido um total de 749.045kms, o que se traduz numa média de 1 346,719 m/m.

Conversámos com Moisés Costa sobre o resultado alcançado.

FPC – Quantos pombos- correio enviou para a prova de Valência?

Moisés Costa (MC) – Encestei 15 pombos-correio para essa prova.

Quais eram as suas expectativas para a prova?

Moisés Costa (MC) – Tinha boas expetativas. Tenho apostado neste pombo-correio para as provas de fundo e ele tem conseguido alguns resultados.

Qual é a sensação de ter um pombo que é o primeiro classificado, ainda que provisoriamente, do distrito de Viana do Castelo?

(MC) – Já concorro há cerca de 40 anos e gosto muito deste desporto. É sempre uma sensação boa marcar bem e conseguir ficar um primeiro lugar, quando isso acontece ao nível distrito é sempre melhor.

Este pombo de 2014 é um macho ou fêmea? Como preparou o/a “atleta” para esta prova?

(MC) – É um macho. No primeiro ano em que voou, marcou bem em meio-fundo. Depois comecei a pensar que ele devia ser fundista. Apostei nele nas provas de Valência e ele tem respondido sempre bem. Este ano só está a competir nessas provas. Na minha opinião os “atletas” que participam nas provas de Espanha não devem competir nas outras soltas, realizadas em solo português, devem ser “poupados”, porque eles não têm nenhum motor.

Este “atleta” já tinha obtido classificações de relevo na presente campanha ou em anteriores? Quais?

(MC) – Sim. Este pombo já tinha conquistado uma Anilha de Ouro na minha coletividade, em 2016, no campeonato de Fundo, e, também no passado, conseguiu uma Anilha de Prata, em fundo, a nível distrital. Ele também já tinha alcançado um 2º lugar, ao nível da coletividade, numa das provas de Valência, em 2016. Ao nível do distrito este é o primeiro lugar que alcança. É um fundista nato, um fora de série.

O 1º lugar na prova de Valência teve o mesmo sabor de um 1º noutra prova de fundo ou considera-o mais relevante? Porquê?

(MC) – Não. Este resultado tem mais valor. Ele ultrapassou todos os pombos do distrito. Acho que merece todos os meus sinceros parabéns. Ele chegou ao pé de mim e parece que tinha feito uma prova de velocidade, que não era nada com ele e que tinha percorrido aquele percurso de forma, digamos, fácil.

E quanto à 2ª solta de Valência, quantos pombos vai enviar e quais são as expectativas?

(MC) – Vou enviar 15 pombos-correios. Vou tratar bem deles até ao encestamento para a prova, ainda há bocado lhes estive a dar água. Vamos ver se consigo algo semelhante e se aquele “atleta” alcança, novamente, uma boa classificação, pelo menos, ao nível da minha coletividade.

As soltas dos Campeonatos Nacionais de Fundo decorrem, pelo terceiro seguido, em Albuixech, Valência. Que opinião tem sobre esta prova? É um projeto que deve continuar?

(MC) – Acho que devem continuar e até deviam ser em maior número, com mais soltas efetuadas durante a campanha. Este tipo de provas dá valor ao pombo-correio português. Tenho amigos columbófilos que pensam o contrário mas, no meu entender, os Campeonatos Nacionais de Fundo fazem todo o sentido em manterem-se nos calendários competitivos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A FPC vai continuar a divulgar reportagens com os primeiros classificados, ainda provisórios, de cada Associação Distrital de Columbofilia. Fique atento ao nosso blog-Press FPC e ao Site FPC.

Pode consultar a classificação nacional dos primeiros pombos comunicados em- Fundo Nacional 2017 – Primeiros pombos comunicados .